skip to Main Content

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

Rede APL de TIC do Paraná debate em Maringá projetos para fortalecer setor

Palestras e dinâmicas de grupo marcaram o 15º Encontro de Líderes de Arranjos Produtivos Locais (APL) de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) do Paraná, realizado na semana que passou em Maringá. A iniciativa, uma parceria entre a Rede de APLs de TIC do Paraná, Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação do Paraná (Assespro-Paraná) e o Sebrae/PR, reuniu empresários e líderes de todo o Estado.

Motivados pelo momento promissor em que vive o setor, mas também de olho em prevenir dificuldades, como o déficit de mão de obra qualificada, os participantes assistiram às palestras e propuseram projetos nas áreas de políticas públicas, formação de capital humano e criação de grupos de empresas especializadas com a finalidade de fomentar o desenvolvimento sustentável de micro e pequenas empresas de TIC.

Durante a primeira palestra “Programa de Verticais”, ministrada por Wilson Gomes de Almeida, da Softex, por exemplo, os participantes conheceram as estratégias de empresas do mesmo segmento que atuam em conjunto a fim de ampliar a participação no mercado nacional e internacional. O motivo é que os profissionais já haviam criado, em reuniões anteriores, quatro verticais de empresas de TIC no Paraná, que devem atender o comércio varejista, as distribuidoras, as empresas de transporte e fábricas de software.

O vice-presidente de marketing da Assespro Nacional, Roberto Mayer, apresentou o Censo Nacional do Setor de TI com o objetivo de estimular inteligência de mercado a partir de análise e cruzamento de informações. Entre os números do Censo Nacional, que chamam a atenção, Roberto Mayer apontou que 37% das empresas de TIC do Brasil não têm nenhum profissional graduado.

De acordo com Sérgio Yamada, presidente da Assespro-Paraná, os dados do Censo Nacional vão orientar trabalhos de planejamento e, principalmente, de formação de mão de obra. “No Brasil, estimamos uma demanda de 70 mil vagas para o setor. No Paraná, há cerca de 1.800 vagas só para a área técnica. Os números são preocupantes e a ideia é promover uma atuação conjunta no Estado para capacitar e motivar a inclusão e a permanência de profissionais no setor”, reforçou.

A programação também contou com Rafael Moreira, coordenador geral de Serviços e Programas no Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), que explanou sobre o TI Maior, programa estratégico de software e serviços de tecnologia da informação do governo federal, cujo objetivo é promover a integração entre governo, comunidade científica e setor privado para ampliar o número de empresas e de profissionais de tecnologia.

“Atualmente, temos 82% de evasão de estudantes dos cursos de ensino superior voltados para o setor de TI. O número é alto, preocupante, e no nível técnico a situação é ainda mais complicada. Para sanar essa carência de recursos humanos, desenvolvemos o Programa Brasil Mais TI a fim de promover capacitações, estimular planos de carreira e estabelecer intermediação entre vagas e profissionais”, explicou Moreira.

Sérgio Yamada informou que esta é a primeira iniciativa desenvolvida pelo governo federal em reconhecimento da importância estratégica que o setor tem hoje para a economia do País. “Após a explanação, empresários e líderes discutiram possíveis estratégias de ação que permitam explorar as oportunidades que o TI Maior oferece a fim de alavancar o setor de TIC no Paraná”, acrescentou.

Balanço

Na avaliação do coordenador estadual de TI e Software do Sebrae/PR, Emerson Cechin, o 15º Encontro de Líderes da Rede APL de TIC do Paraná foi produtivo por apresentar uma metodologia dinâmica e por iniciar várias discussões relevantes, que devem continuar em pauta. “A cada edição, empresários e líderes demonstram mais maturidade e solidez, o que, por consequência, gera mais reconhecimento para a iniciativa”, enfatizou.

Sérgio Yamada, presidente da Assespro-Paraná, também se mostrou satisfeito quanto à evolução dos temas discutidos e explicou que o evento foi estruturado em dois momentos. “Primeiro, foram realizadas as palestras com conteúdos que subsidiam o segundo momento, no qual os participantes levantaram discussões, propostas e ações com foco tanto local quanto regional ou estadual, potencializando os arranjos produtivos e sua representatividade e fundamentando, inclusive, demandas por políticas públicas específicas”, enfatizou.

Érica Cristina Sanches, consultora do Sebrae/PR, ressaltou que a união das entidades representativas está entre os motivos para a expansão do setor no Paraná. “Pesquisa do Sebrae/PR aponta que, nos últimos quatro anos, o número de empresas de TIC aumentou 42% no Brasil, 46% no Paraná e 81% em Maringá e Região. O crescimento superior se deve a este modelo de organização onde as empresas, por meio da cooperação e do associativismo, podem superar suas dificuldades e aproveitar melhor as oportunidades,  sendo esta a proposta destes encontros”, enfatizou.

O 16º Encontro de Líderes de APLs de TIC do Paraná será realizado ainda este ano, com data e local ainda a ser definidos.

Fonte: Assessoria de Imprensa Regional Noroeste

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top